Arquivo do Autor: Caio Cesar

Sobre Caio Cesar

Professor. Doutor e Mestre em Administração. Especialista em Comércio Eletrônico. Publicitário. Leciona e pesquisa sobre Design de Interação, Produção Multimídia, Redes e Mídias Sociais.

Não deixe decisões editoriais nas mãos de plataformas

Durante esta primeira semana de Setembro estive em Joinville para participar do 41º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Intercom. Lá, um dos assuntos discutidos no GT de Comunicação Digital foi o de que veículos de comunicação acabam por buscar soluções prontas (plataformas sociais como o Facebook) para distribuir seu conteúdo. O professor Andre Pase lembrou também, em uma discussão bem interessante, que até adotar plataformas outras (como Disqus ou o próprio Facebook) para comentários em seus sites representa esta ação de buscar uma solução pronta para tratar seu conteúdo.

Esta solução pode parecer sedutora. Afinal são 2 bilhões de pessoas conectadas ao Facebook. Só que apenas uma parte bem pequena delas curte sua fan page e uma fração menor ainda efetivamente vê o que você posta. Para piorar, as coisas que você posta em sua fan page podem ser apagadas pelo próprio Facebook quando ele (por meio de seus algoritmos) julga que aquele conteúdo não é apropriado. Este exemplo relatado pelo Nieman Lab mostra exatamente isso.

Está passando da hora de percebermos (todos nós) que a web é, em sua essência, social. Não precisamos destas plataformas proprietárias e voltadas exclusivamente para uma operação lucrativa para atuarmos em rede, num contexto social.

Más decisões de design impactam o faturamento

Ou: Como uma série de problemas de design impediram-me de fazer uma surpresa para minha mãe

Nesta semana estive na casa da minha mãe numa rápida visita na terça de tarde. Chegando lá, vi que havia inaugurado uma filial da Domino’s no bairro dela. Havia um folheto da filial na caixa de correio (a mídia offline ainda funciona, claro! 🙂 ). No folheto, um alerta para a promoção de “leve 2 e pague 1” na terça. Resolvi surpreender minha mãe e fazer um pedido de pizza para ela mais tarde.

Tentei pelo telefone. Infelizmente, a atendente da loja não entendeu que eu queria pagar as pizzas antecipadamente. De verdade. Eles não conseguiram me cobrar pelo telefone. O pagamento deveria ser feito na entrega. Somente na entrega. Ah, e outra coisa: Eu estava ligando por volta das 17:30. Não poderia deixar uma entrega agendada. Se eu liguei naquela hora, o pedido teria que sair da loja assim que ficasse pronto. Eles não podiam (ou não conseguiram) fazer o pedido naquela hora e preparar a pizza e entregar mais tarde. De fato, muitas informações, né?

Então. Fazer minha mãe pagar pela pizza na entrega seria um presente de grego e isso eu não queria.

Tentei de outra forma. Pus-me a instalar o app da Domino’s no meu celular.
Te dizer que foi uma luta. O design da interação do aplicativo é muito fraco. Saltar de campos no formulário de cadastro é um suplício! Além disso, as minhas ações de toque no app ficavam sem resposta. Eu tocava nos botões e não tinha qualquer tipo de feedback. Um exemplo: no primeiro uso do app, somos incentivados a cadastrar endereços para entrega. Eu preenchia os dados e tocava em “cadastrar”. Como não tinha resposta, toquei repetidas vezes. Depois de desistir, fui ver meus dados e um mesmo endereço havia sido criado repetidas vezes.

Outro problema do aplicativo da Domino’s foi o pagamento. Fiz o processo de cadastro à duras penas e, depois, procedi com o pedido. Ao fazê-lo, fui levado a crer (com um botão para escolher a forma de pagamento) que poderia pagar pelo app. Ledo engano. O pedido é fechado sem que conseguisse fazer o pagamento pelo app.

Depois de incorrer neste erro, liguei para a loja para pedirem que incluíssem o pagamento no pedido. Assim, minha mãe não seria cobrada quando as pizzas chegarem em sua casa. Novamente, não foi possível. Tiveram que cancelar o pedido na loja.

Voltei ao app e cadastrei um cartão de crédito em minha conta. Refiz o processo. Sem sucesso. Na segunda vez que tive que ligar para a loja para cancelar o pedido e evitar que minha mãe fosse cobrada, a atendente disse: “por que você não faz o pedido pelo ifood?”

Pois é. A funcionária de uma marca pedindo para que eu não use o app desta marca, mas sim o app de outra empresa. Tudo isso porque, em algum momento, péssimas decisões de design foram tomadas.

Como errar na web: tire o controle das mãos dos usuários

Tirar o controle das mãos do usuário pode ser a pior coisa que você pode vir a fazer com seu produto web.

Na web, o consumo da informação é dado de forma autônoma, por excelência. Isso significa que o usuário consome a informação de maneira individual, com o controle do processo. Ele decide o que vai ver, ler, assistir ou ouvir.

No passado, muitos designers desrespeitavam esta lógica ao conceberem janelas em tela cheia removendo os controles do navegador. Numa promessa de experiência imersiva, acabavam por tirar o controle das mãos do usuário. Só que a web não é um quiosque de shopping e, ainda bem, não vemos mais este tipo de experiência por aí.

Só que outro tipo de iniciativa que tira o controle das mãos dos usuários começou a aparecer nos últimos anos e seu representante mor é o autoplay de vídeos em feeds do facebook ou como sequência de um vídeo do Youtube. O serviço “entende”que, se você assistiu um determinado vídeo até o final, certamente vai querer assistir alguns outros na sequência. Isso é terrível. Tira o controle do usuário no processo, empurra conteúdo que não necessariamente é do interesse dele e ainda mascara números de audiência.

Em alguns sites com conteúdo predominantemente textual isso também ocorre com certa frequência, o que é lamentável. Acabo de me deparar com o exemplo que gravei em vídeo e disponibilizo abaixo.

O TechCrunch te catapulta para a página inicial do site depois de ler uma notícia. Simplesmente ridículo. Ao terminar de ler uma matéria o site automaticamente sai da página em que você estava e vai para a página inicial. Perceba no vídeo que nem há a oportunidade de voltar e explorar mais o conteúdo; talvez ver comentários e postar alguma consideração. Péssimo exemplo.

A questão da extrema informalidade dos profissionais de Publicidade

Então.
(ultimamente tenho começado muitas frases e até e-mails assim…)

Há um bom tempo tenho falado (às vezes sozinho, outras, acompanhado) que falta profissionalismo na publicidade. No digital, nem se fala.

Mas, mesmo já abordando este tema há tempos, a questão persiste. Em sala de aula isso me afeta e incomoda quando alunos (publicitários em formação) deixam trabalhos para serem feitos na última hora, pedem adiamento de prazos e acabam entregando produtos que poderiam ter ficado muito mais bacanas se alguns cuidados básicos tivessem sido tomados.

Profissionalmente vemos jobs sendo perdidos, pagamento abaixo do mercado e vários outros comportamentos que afetam negativamente a imagem dos publicitários…

Peraí, Caio. Você também já foi aluno! Pega leve…

Pois é. E também já procrastinei muito e entreguei muita coisa abaixo da crítica. Mas aprendi que se eu quisesse ser levado a sério, precisava me levar mais a sério.

E é esse excesso de pedidos para “pegar leve” que configura um dos sintomas que quero tratar. Pode parecer papo de velho (e é), mas encarar-se com mais seriedade e também as nossas atividades com mais seriedade pode fazer toda diferença.

Eu acho que o ambiente da universidade é um bom lugar para tentar corrigir este comportamento. Especialmente porque é, justamente depois que se forma, que o profissional começa a adotar algumas práticas que podem ser muito ruins para ele na sua atuação profissional.

Vamos começar com a questão da disciplina para executar trabalhos

Então. Como eu falei acima, é muito comum que os alunos entreguem trabalhos feitos na última hora. Costumo brincar que, se o trabalho é para ser entregue às 23:59, o aluno começa a fazer às 23:30. Isso depois de ter tentado um e-mail pedindo mudança de prazo às 23:15 e não ter obtido resposta até as 23:29.

Brincadeiras à parte, a questão é que se entrega, normalmente, um texto ou uma peça que foi a primeira coisa que se conseguiu fazer. Ou seja: faz-se uma versão e boas. Está entendido que está pronto para entregar.

Só que não é bem assim. Normalmente a primeira versão de uma coisa contém vários erros e está longe de ser a melhor versão daquilo. Escrever um texto ou conceber uma peça é uma atividade que demanda o exercício da criação. E este exercício não se dá num único sprint. A atividade de fazer, dar um tempo, olhar outras coisas e retomar a atividade faz com que a gente tenha uma outra visão sobre aquilo que fez. Além disso, proporciona um distanciamento que nos ajuda a encontrar erros.

Pois bem, mas como fazer isso, Caio?

A primeira coisa é não deixar para fazer na última hora. Comece a fazer a tarefa (pode ser a criação de um layout, a redação de um texto, enfim… qualquer coisa) com antecedência. Pense e planeje-se de forma a poder trabalhar por mais tempo naquela tarefa. Vai por mim. Se você começar a fazer qualquer atividade no momento em que ela foi designada a você, dificilmente você precisará ficar atravessando madrugadas fazendo algo perto do fim do prazo.

E atravessar madrugadas é algo que muitos profissionais da publicidade se vangloriam de ter que fazer. E eu tenho verdadeira raiva deste comportamento. Ninguém precisa trabalhar até de madrugada se planejar bem aquilo que tem para fazer. Me dá especial raiva porque eu já deixei isso me atrapalhar muito.

Se você planeja bem a execução de um trabalho, menos horas extras serão necessárias e menos madrugadas serão comprometidas. Além disso, você terá tempo para rever o que fez e melhorar os produtos que está criando. E isso vai ser muito bom para a qualidade final daquilo que estiver fazendo.

Outra coisa: dê-se o valor

É muito comum esse lance de fazermos as coisas de última hora, porque não nos deram prazos bacanas para executar a tarefa. Quando for este o caso, um sinal de que você está dando valor a si mesmo é não aceitar fazer naquele prazo tão pequeno.

É comum os profissionais aceitarem fazer isso porque não querem “perder o cliente”. Só que, ao fazer algo com tão pouco prazo, a qualidade final vai ser péssima e você vai perder o cliente da mesma forma, só que, desta vez, porque o trabalho ficou ruim. E aí, a culpa não vai ser do prazo (afinal, você aceitou fazer), sacou? A culpa vai ser sua.

Aceitar fazer uma coisa num prazo desumano é não se dar o valor. É não se respeitar. Outra coisa que entra no montante da falta de respeito é aceitar fazer reuniões fora do expediente (porque esta é a hora que o cliente pode te receber). Uma coisa que eu aprendi num dos melhores lugares que trabalhei foi: se o cliente não quer te receber durante o expediente, é porque ele não acha que comunicação é uma coisa importante pra ele. Esse já é um sinal de que ele não vai te respeitar e nem respeitar o seu trabalho.

Faz parte deste bolo do respeito a si mesmo e ao seu trabalho também parar de participar de “concorrências”. Na comunicação isso é muito comum. E é péssimo para os profissionais. Empresas chamam três ou cinco profissionais ou agências e pedem que executem algo para, só depois, escolher o que acharam melhor. Estas “concorrências” (as aspas servem para indicar que são falsas concorrências, sem critérios claros e nem sombra do que lembraria um edital) são muito ruins para o negócio da comunicação, porque acabamos trabalhando de graça (outro sinal claro de que não nos damos valor como profissionais é quando nos deixamos ser enganados assim). Não há problema nenhum em trabalhar de graça, desde que seja por vontade própria (por exemplo, se você quer fazer a comunicação de uma ONG sem cobrar nada). O que é péssimo é a agência ou profissional se deixar levar fazendo isso corriqueiramente.

Pense como seria isso em outras profissões. Você, por acaso, vai ao dentista e, na consulta, fala que também vai a outros dois profissionais e, só vai pagar pelo serviço de quem “achar que é o melhor profissional”? Claro que não, né? O dentista não oferece consulta gratuita e muito menos o médico. O arquiteto não faz projeto “no risco” e o engenheiro também não. Mas porque os publicitários fazem coisas assim? Eu arrisco dizer que é porque eles não se levam a sério e não se dão o valor.

Por fim, um último comportamento que me dá nos nervos e que é um sintoma desta desvalorização é o fato de apresentar três versões de uma peça pro cliente escolher. Acho isso o fim da picada. Nada errado em fazer três versões e até levar para a apresentação para ter algo na manga caso a apresentação daquela peça que você achou a mais apropriada, der errado. Mas já mostrar de cara três versões (de uma marca, por exemplo) para o cliente escolher é, pra mim, um atestado de incompetência. É algo como dizer “toma, olha essas três opções e me diga qual a que mais gostou, porque nem pra isso eu sirvo”.

Para me ajudar a explicar, novamente faço comparação com o trabalho do médico. O médico mostra três versões do diagnóstico para a gente escolher qual é o melhor? Não, né? O que ele oferece, quando é possível, são opções para o tratamento. Mas ele não as apresenta de cara pra que façamos uma escolha. Ele mostra aquela que julga ser a mais adequada e, depois, se for possível, fala que existem alternativas e, cada uma delas tem seu ponto positivo e ponto negativo. Todas as vezes que me vi nesta situação com um médico, ele me disse que a primeira opção tinha uma justificativa bem plausível. E me apresentava o embasamento para aquela escolha.

Acontece que em mais de 90% dos casos os publicitários não tem o embasamento para justificar sua escolha e recomendação. É tudo baseado no achismo e no gosto pessoal. Daí, o cliente acaba achando que se é algo baseado no gosto pessoal, ele , por ser dono do negócio, entende mais e tem o “gosto mais apurado”. Aí, meu amigo, ferrou. Quando chega a esse ponto, o publicitário ou a agência vira apenas manobrista de layout; aumentando a marca e “chegando o texto mais para a direita”.

O fato é que, na maioria esmagadora das vezes, o publicitário não sabe argumentar como aquilo que ele fez vai resolver o problema do cliente. O publicitário acha que defender um conceito é uma questão de “lábia”. Isso porque ele não sabe. Porque ele não fez pesquisa. Por que a sua proposta não tem substância. Aí, acha que tudo é na base do “Rolando Lero”.

E sabe por qual motivo que o publicitário não tem argumento ou substância para defender sua escolha? Acertou, porque ele começou a fazer aquela peça meia hora antes de apresentar pro cliente. Aí, não deu tempo de fazer pesquisa (te dizer que faz muito tempo que vi uma proposta de ação de publicidade efetivamente baseada em pesquisa). Não deu tempo de embasar as escolhas. Não deu tempo de nada. Depois, claro, não dá pra reclamar.

E voltamos a questão inicial. O meu ponto é: enquanto isso persistir, publicitário vai ser tratado do jeito que é. E eu acho que a origem destes problemas é justamente porque ele não se respeita e não faz as coisas com seriedade.

Claro. Tem aqueles que preferem trabalhar de madrugada e também os gênios que fazem uma versão perfeita logo na primeira tentativa. Mas estes são pontos fora da curva. O normal mesmo é termos o comportamento que mina o sucesso da atividade. É a participação em “concorrências” e o trabalho executado sem pesquisa, feito de forma tocada, na última hora. Enquanto estes comportamentos forem tratados como a normalidade, também os publicitários e as agências continuarão sendo tratados como são.

Talvez isso não seja uma causa direta, mas minha leitura é a de que, de certa forma, interfere, sim, no jeito que as pessoas externas à profissão lêem os publicitários.

Enfim… Essa é a minha questão, na verdade a minha preguiça, com essa extrema informalidade dos publicitários.

10 motivos para usar o Telegram

Quem me conhece sabe que eu sou um baita evangelizador do Telegram. Tanto que há tempos não uso outro serviço de mensagens instantâneas. Apenas o Telegram. A exceção é o serviço de SMS do celular, que uso para enviar mensagens para aquelas pessoas que ainda não conhecem as maravilhas do Telegram.

Mas, Caio, por qual motivo você usa o Telegram e não outro serviço que (supostamente) mais gente usa, tipo o WhatsApp?

Bem, como esta é uma questão que muita gente levanta, listarei a seguir alguns motivos.

1 – O Telegram funciona em múltiplas plataformas
Uma coisa muito legal do Telegram é que ele tem clientes para os sistemas móveis (Android, iOS e WindowsPhone) que são sempre mantidos bem atualizados.
Funciona em telefones e Tablets, diferentemente do WhatsApp, por exemplo.
Ah, e o Telegram tem versões em software para você usar no seu computador Apple, Linux ou Windows. Eu prefiro usar os software pois desvincula do navegador e me evita distrações.
No entanto, se você quiser usar no navegador, pode fazer sem ter que ficar ar lendo QR Code toda vez que quiser usar.

2 – O Telegram permite que você não divulgue seu número de telefone
Uma coisa muito legal do Telegram é que ele permite que você crie um nome de usuário (o meu é @caiocgo). E aí, você pode ser localizado na rede por este nome, e não pelo seu número de telefone. Tem muita gente que prefere e precisa que seu número de telefone fique privado. No Telegram, isso é possível.

3 – O Telegram permite que você use sem que seu telefone esteja ligado ou conectado
Se você usa o Telegram via web ou app no tablet / computador, não precisa que seu telefone esteja conectado. Pode desligar o telefone e ser feliz.

4 – O Telegram tem stickers
Os stickers são apenas uma faceta bem legal do Telegram. Você pode usar uma infinidade deles e até criar os seus pacotes. Tem Stickers para tudo quanto é coisa. Isso torna o uso da plataforma até bem divertido.

5 – Os grupos e supergrupos são muito legais
Você pode ter grupos públicos e privados. pode também ter supergrupos com quantidade enorme de participantes. Pode configurar para que membros tenham ou não a possibilidade de consultas ao arquivo do grupo. muito bacana para quem entra no grupo poder navegar pelo histórico e ver o que já foi discutido.

6 – Canais são formas muito bacanas de se manter informado (e informar)
O Telegram permite que você crie canais para apenas informar os assinantes. Diferentemente dos grupos, nos canais apenas o dono / administrador do canal tem como postar mensagens. Aí os assinantes ficam avisados rapidamente daquela informação que você precisa entregar.

Canais são bastante úteis para empresas que querem entregar informações a seguidores. A Rede tem um canal, onde posto notícias e recomendações de leitura bacanas que acho por aí.
Um outro canal que eu recomendo, especial para os residentes da RMBH é o da Defesa civil, que posta regularmente informes sobre meteorologia e alertas de áreas de atenção no caso de chuvas. Muito útil.
Pense em canais como uma forma de efetivamente chegar aos seus leitores sem muito esforço.

7 – Bots!
O Telegram tem a possibilidade de você criar e manter Bots rapidamente. Seus bots podem fazer um monte de coisas. Por exemplo: responder perguntas frequentes das pessoas ou até executar serviços. O processo de criação, como disse é muito simples. Para quem cuida de comunicação de marcas, bots e canais são discas excelentes que mostram a superioridade do Telegram para com outras plataformas.

8 – Integração com serviços externos
O Telegram permite que você faça integração com diversos. outros serviços. o IFTTT (If This Than That) integra a plataforma a várias outras. O Canal da Rede, por exemplo, está integrado ao meu leitor de RSS (NewsBlur). Sempre que eu marco uma postagem que achei interessante lá no NewsBlur, esta postagem é disparada para o canal. O processo de compartilhar fica ainda mais fácil. Novamente, as possibilidades para quem cuida da comunicação digital de empresas são bem bacanas nesta plataforma.

Outra integração bem legal que faço no Telegram é com o Trello. Trabalho muito com o Trello para gerenciar tarefas individualmente ou em grupos. O Telegram é a companhia perfeita ao Trello. Eu, por exemplo, sou alertado por um Bot do Trello sempre que alguém faz uma ação em um dos quadros que mantenho. Isso poupa um tempo danado!

9 – Não é do Facebook
Com o escândalo da Cambridge Analytica fica cada vez mais claro que a gente deve evitar usar ferramentas do FB. Você já deve ter notado que, vez por outra o FB recomenda que você fique amigo daquela pessoa que nem conhece muito mas que compartilha um mesmo grupo que você no WhatsApp. Isso é uma baita invasão de sua privacidade e serve para você ficar alerta que o FB está sim (por mais que negue) de olho no que você escreve mesmo em mensagens privadas no WhatsApp.

Se você ainda não percebeu, ninguém deve confiar um fio de cabelo sequer ao Facebook.

10 – Editar e excluir mensagens
Embora seja possível fazer isso no WhatsApp, no Telegram o processo é bem bacana. Você pode editar as mensagens e excluí-las (só para você ou para todo mundo). O mais legal é que mensagens excluídas são efetivamente removidas, sem ficar aquele aviso tosco de que havia uma mensagem ali.

BÔNUS TRACK – Governos não gostam dele
Recentemente a Rússia baniu o Telegram. O Irã também não é o maior fã da plataforma. Isso, por si só, já deveria ser motivo para você usar.

Ain, Caio… Mas eu não quero ter mais um app instalado no meu celular…

Deixe de besteira. O Telegram é relativamente leve e não vai te prejudicar em nada. Desinstale alguma coisa inútil de seu telefone (tipo o Facebook ou o Instagram) e instale o Telegram.

Por fim, a resposta para uma pergunta que sempre me fazem:

Você não sente falta do WhatsApp?
Não.

🙂

Olha, se você ainda não sacou… Eu recomendaria prestar atenção no Telegram. As possibilidades para o indivíduo e para a empresa são muitas. Evite ter a preguiça de uma plataforma e invista algum tempo em – no mínimo – explorar as possibilidades. Garanto que você vai gostar muito.

Qual é o seu presente para a web no dia de hoje?

Hoje, dia 12 de março de 2018, a WEB faz 29 anos. E ela está ameaçada.

A web é um instrumento, um dispositivo, um aparato, um ambiente em que nós, os usuários (se preferir, os “nós” da rede), podemos ter o poder. Podemos, como Licklider e Taylor (1968) e vários outros depois deles pensaram: a capacidade de participar ativamente do processo comunicacional. A web representa o que Negroponte chamou de deslocamento do poder do transmissor para o receptor. A gente monta nossa própria programação e consome o que quer, quando quer e do jeito que quer.

Acontece que, a necessidade de certo domínio de um conjunto de técnicas (Lévy, 2010), acabou por levar-nos a uma posição de dependência de plataformas controladas por entidades – as plataformas sociais como Twitter e Facebook – cujo modelo de negócios e funcionamento se assemelha enormemente com o que conhecemos na mídia de massa. Sua necessidade de obter lucro por meio de publicidade subverte a ideia de poder nas mãos das pessoas e desvirtua o que se pensava anteriormente como a web sendo o espaço onde todos poderíamos ter voz. Nestas plataformas, a lógica é a mesma da mídia de massa: é necessário ter o poder financeiro para fazer sua mensagem chegar às pessoas.

Só que a web não é isso. A web é um território livre.

Que tal darmos de presente para ela e, consequentemente, nós mesmos (já que a web somos nós) um passo adiante para a retomada do poder que a web nos proporcionou e que, voluntariamente, temos aberto mão nos últimos anos? É isso que (no link lá do começo) o inventor da web, Tim Berners-Lee fala sobre fazer a web trabalhar para as pessoas. Trata-se de uma retomada do poder que, voluntariamente, entregamos para corporações cujos interesses se distanciam enormemente dos nossos. Precisamos exercer mais a autocomunicação.

O poder da comunicação e da autocomunicação bem conceitualizado por Castells (2010) conceitualizou, permite que nós, indivíduos utilizemos da rede para nos organizar e constituir um novo poder que pode contrapor às instituições vigentes. Aqui refiro-me especialmente ao poder da mídia de massa que visa homogeneizar o que não é possível de homogeneizar (a sociedade).

Por isso insisto, que tal a gente dar para a web o presente que ela (nós) merece (merecemos)? Vamos retomar o poder. Vamos voltar a escrever em nossos próprios sites ao invés de usarmos plataformas outras que não nos pertencem e cujas decisões de alcance dependem do quanto os executivos podem ganhar em cima da nossas produções!

Vamos adotar a ideia de construirmos novas conexões entre ideias de forma mais orgânica e menos dependente dos algoritmos. Eles são interessantes, mas não devem ditar nossos comportamentos e intermediar plenamente nossas relações e as ligações entre nossas ideias.

Que tal a gente presentear a web com a ação de retornarmos a autoria do grande hipertexto que a compõe?

 

REFERÊNCIAS

Castells, M. (2013). Communication power. OUP Oxford.

Lévy, Pierre. (2010). Cibercultura. Editora 34.

Licklider, J. C., & Taylor, R. W. (1968). The computer as a communication device. Science and technology, 76(2), 1-3.

Negroponte, N. (1995). being digital. Alfred A. Knorpf: New York.

 

EXTRA
http://tantek.com/2018/037/t1/posse-indieweb-twitter-facebook
https://webfoundation.org/2018/03/web-birthday-29/

Dica de leitura: Introdução à Análise de Redes Sociais Online

Em dezembro de 2017 tive contato com a publicação “Introdução à Análise de Redes Sociais Online”, escrito pela pesquisadora Raquel Recuero e disponibilizado gratuitamente pela EDUFBA (http://www.lab404.ufba.br/?p=3223).

Trata-se de iniciativa bem interessante e necessária. Como sabemos, o tópico da Análise de Redes Sociais (ARS) ainda é muito pouco explorado no país; em especial na Comunicação. Há muito o que fazer e estudar. Muita coisa por descobrir e explorar.

É justamente nesse sentido que se faz a recomendação da leitura. Tendo em vista que o objetivo da autora é apresentar o tema e métodos possíveis de investigação, creio ser interessante para se familiarizar com o tema. Nas palavras da autora:

“O que é relevante aqui é perceber que a ARS existe dentro do arcabouço de métodos possíveis para que pesquisadores das áreas que tradicionalmente não trabalham de modo tão empírico e com tantos dados (como é o caso da Comunicação) possam se munir de modos de análise e compreender elementos mais amplos em seus dados. Nosso objetivo, portanto, é ampliar a compreensão desses modos e permitir que a ARS seja mais popularizada entre os pesquisadores, de modo especial, entre aqueles que trabalham com dados provenientes do ciberespaço.”

O livro tem leitura bastante fácil e é bem direto ao assunto, apresentando a origem das informações e indicando caminhos.

Tenho apenas duas ressalvas com relação ao texto. Tecnicalidades que não atrapalham o objetivo da autora e muito menos o entendimento do assunto.

A primeira delas é com relação ao conceito de buraco ou lacuna estrutural (structural hole). Embora Recuero (2017) cite bem acertadamente Burt para fundamentar o conceito, creio que vale observar que este mesmo autor apresenta o conceito de lacuna estrutural (Burt, 1995) como sendo a posição de um ator que é a única ligação entre diferentes grupos. Nesse sentido, se este ator se ausenta, há a criação da lacuna (ou buraco). Tratei deste assunto na ocasião em que procedi com o mapeamento da rede de pesquisadores em Administração no país (Oliveira, 2013). Na ocasião apresentei o conceito a partir de Burt (1995) com a ligação a Coleman (1988) da seguinte forma:

“Ao compreender o capital social como um recurso da rede buscado pelos atores e, portanto, motivador de suas ações, deve-se entender também que a posição ocupada na rede lhes proporciona capital social. Assim sendo, é possível enxergar que determinado ator que está posicionado na estrutura como a única ligação entre dois grupos que compartilham interesses ocupa um espaço conceitual de destaque, pois é ele quem controla o acesso a recursos por parte dos dois grupos. A esse ator atribui-se o título de lacuna estrutural (Burt, 1995).

Ocupar uma posição de lacuna estrutural na estrutura da rede não é o único ganho ou recurso proporcionado a determinado ator. Reputação, controle de informação, confiança e cooperação são também recursos ou ganhos que se pode obter a partir de suas relações e posicionamentos na rede (Coleman, 1988).”

A segunda questão é ainda mais sutil e refere-se a questão das redes de dois modos. Como meu trabalho de mapeamento da rede de pesquisadores em Administração no Brasil tratou disso, entendo que as redes de dois modos são um pouco diferentes daquilo que é apresentado no livro. Recomendo a leitura desta postagem do Tore Opsahl (https://toreopsahl.com/tnet/two-mode-networks/defining-two-mode-networks/) para mais detalhes sobre as redes de dois modos (o autor, inclusive, exemplifica as redes de colaboração científica como redes de dois modos, como fiz. Tanto ele quanto eu usamos Newman (2001), Wasserman e Faust (1994), dentre outros, para embasamento.

Como disse, estas diferenças no modo de enxergar o que é uma lacuna estrutural e uma rede de dois modos não atrapalham e nem desabonam o texto. A leitura do livro é bastante recomendada. Fica aí uma dica bem interessante para quem quer, rápida e objetivamente, se introduzir ao tema da Análise de Redes Sociais.

Referências:

Burt, R. (1995). Structural holes: The social structure of competition. Harvard University Press.

Coleman, J. (1988). Social capital in the creation of human capital. American Journal of Sociology, 94

Newman, M. E. J. (2001). Scientific collaboration networks. II. Shortest paths, weighted networks, and centrality. Physical Review E 64, 016132.

Oliveira, C. C. (2013). Coopetição em redes interpessoais: relacionamentos coopetitivos na rede de pesquisadores brasileiros em Administração. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Recuero, R. (2017). Introdução à análise de redes sociais online. EDUFBA, Salvador, BA, Brasil.

Wasserman, S., Faust, K. (1994). Social Network Analysis: Methods and Applications. Cambridge University Press, New York, NY.